Gravida com a mão na barriga
Alimentação

Tenha cuidado com essas bebidas durante a gravidez

Álcool, cafeína, açúcar: há algumas coisas durante a gravidez que não deveriam entrar no copo. Portanto, é melhor não se servir dessas bebidas, ou apenas raramente, até o nascimento.

Tonturas, palpitações e ataques de fraqueza: é assim que o corpo chama a atenção quando está desidratado. Isso acontece rapidamente durante a gravidez. Afinal, o volume sanguíneo aumenta cerca de dois litros nas 40 semanas e as mulheres suam mais rápido. Como resultado, eles têm uma necessidade maior de líquidos.

Quanto melhor o corpo recebe água, menos você sente o cansaço típico da barriga do bebê.

Oito copos grandes de água são recomendados todos os dias, ou seja, dois litros. As bebidas saudáveis ​​também incluem sucos de frutas e leite pasteurizado, bem como muitos chás de ervas. Mas existem exceções. Você deve conhecê-los para evitar problemas e até mesmo um possível aborto ou parto prematuro.

1. Isso é o que a cafeína faz

Cacau, café, chocolate, Red Bull ou Cola: todos contêm cafeína. O alcalóide tem efeito vasoconstritor e estimulante. Resultado: menos oxigênio chega à placenta. Isso, por sua vez, retarda o crescimento da criança e terá um peso ao nascer menor do que outros recém-nascidos.

A cafeína também atinge o próprio feto. Ele aumenta sua atividade e acelera os batimentos cardíacos. Como o bebê ainda carece de uma importante enzima hepática, leva 20 vezes mais do que a mãe para quebrar a cafeína.

Além do bebê ser muito ativo no útero, o consumo também tem duas grandes desvantagens para a mãe: A cafeína remove do corpo os líquidos de que ela precisa com urgência. Ao mesmo tempo, inibe a absorção de ferro, cálcio e vitamina C. Ao contrário do café, o chocolate também contém muito açúcar e gordura. Portanto, apesar dos desejos,  é melhor não beliscar muito dela.

Sem problemas: duas xícaras de café por dia 

De acordo com a EFSA, a Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos, um máximo de 200 miligramas de cafeína por dia não são problemáticos na dieta durante a gravidez. Isso é o equivalente a duas xícaras de café por dia.

Mesa cafeína

  • Uma xícara de café: 150 mg
  • Um expresso: 50 mg
  • Uma xícara de chá: Chá preto ou chá verde: 50 mg
  • Xícara de cacau: 9g
  • Um copo de Coca Cola: uns bons 50 mg
  • Uma lata de Energydring: 80 g
  • Barra de chocolate meio amargo: 80g

A Sociedade Alemã de Nutrição considera três xícaras de café por dia, cerca de 300 miligramas de cafeína, inofensivas. O leite no café reduz um pouco o efeito da cafeína, e é por isso que o café com leite é um bom compromisso durante a gravidez.

Se o café for apreciado em massa, a cafeína não será um problema. O consumo só se torna perigoso se você tomar oito ou mais xícaras por dia. Um estudo americano mostrou que o número de natimortos aumenta. As bebidas descafeinadas e alternativas como o café de bolota ou o café com malte de cevada são, portanto, melhores do que muita cafeína.

Uma dica para quem gosta de fazer o seu próprio café: quanto mais quente a água, mais cafeína ela absorve. Quanto mais tempo o café fica macerado e quanto mais fino o pó é moído, mais forte fica o café. A cor dos grãos também fornece informações: se forem mais escuros, os grãos foram torrados quentes e têm menor teor de cafeína.

2. Chá: escolha as variedades certas

O chá contém as substâncias teaein e tanin. Teein é um alcalóide e, como a cafeína, tem um efeito estimulante no sistema nervoso. Tem efeito tonificante e pode aumentar a concentração. Se o chá fermenta por pouco tempo, o chá é liberado principalmente. Se ficar macerado por muito tempo, é parcialmente limitado pelos taninos. Esses taninos colorem o chá mais escuro, tornam-no mais forte e têm um efeito calmante no trato gastrointestinal. 

Isso parece positivo. No entanto, as substâncias também apresentam desvantagens para as mulheres grávidas: como a cafeína, o chá tem efeito vasoconstritor. O tanino torna a absorção do ferro mais difícil e pode causar prisão de ventre, que costuma ser um problema durante a gravidez. O chá preto, o chá verde e o chá branco, em particular, contêm essas duas substâncias.

Chás de frutas e ervas, bem como chás roibos e misturas de chás especiais para mulheres grávidas, não têm efeitos colaterais para mulheres grávidas. Claro, existem algumas pequenas exceções: por exemplo, misturas de chá com especiarias que promovem o trabalho de parto, como cardamomo, gengibre e cravo, devem ser evitadas. O chá de folhas de framboesa também pode desencadear o trabalho de parto e, portanto, só deve ser bebido pouco antes da data planejada para o parto, de preferência em consulta com a parteira. O mesmo se aplica ao popular chá de hortelã-pimenta.

3. Prós e contras do chá de menta 

A hortelã-pimenta costuma ser recomendada nos primeiros meses de gravidez contra o temido enjôo matinal. Tem efeito relaxante na zona gastrointestinal, relaxa, favorece a circulação sanguínea e ajuda no combate às dores de cabeça. No verão, o chá frio de menta também é muito refrescante. Mas é melhor não beber muito da hortelã-pimenta.

Os efeitos colaterais indesejados do chá de menta durante a gravidez incluem azia e contrações uterinas prematuras. Durante a amamentação, a hortelã-pimenta diminui a produção de leite e é, portanto, um remédio caseiro clássico para bebês desmamados. 

4. Cuidado com o quinino

O quinino é frequentemente adicionado como aromatizante em refrigerantes amargos, como água tônica e limão amargo. Durante a gravidez, o quinino pode desencadear o parto em grandes quantidades e levar a problemas com o metabolismo do açúcar e sintomas de abstinência no recém-nascido. 

5. Açúcar: tudo depende do tipo

Limonadas, cola, cerveja de malte: quanto mais doce, mais calorias a bebida tem e mais energia fornece. O nível de açúcar no sangue aumenta. Quanto mais curta for a cadeia de blocos de construção do açúcar, mais rápido ele vai para o sangue. Dois exemplos: açúcares simples como o açúcar da uva vão direto para o sangue, polissacarídeos como os contidos no pão integral são primeiro divididos lentamente e depois vão para o sangue.

Outras informações

Os açúcares de cadeia longa devem ser preferidos na dieta durante a gravidez. Isso alivia o pâncreas, previne diabetes e é bom para a criança. É melhor beber sucos de frutas adoçados misturados com água. Os substitutos do açúcar em bebidas dietéticas, como xilitol, sorbitol, manitol, lactitol e isomalte, têm um leve efeito laxante. Adoçantes artificiais como a sacarina e a taumatina, como os substitutos, são considerados seguros para a criança.

As bebidas energéticas que contêm açúcar costumam ser anunciadas com substâncias estimulantes, como taurina e guaraná. Seu efeito ainda não foi totalmente pesquisado, por isso devem ser evitados até o nascimento. Além disso, cola, que contém cafeína e teobromina, deve ser servida raramente.

6. Dióxido de carbono

O ácido carbônico da água mineral e das limonadas pode causar gases e dores de estômago. Água parada deve, portanto, ser a primeira escolha. Água mineral rica em magnésio com sódio ajuda contra cãibras nas pernas e equilibra o teor de sal no corpo. Água rica em cálcio é saudável porque promove a formação de ossos no bebê.

7. Leite cru

Como todos os produtos de leite cru, o leite não pasteurizado apresenta o risco de infecção por listeriose . A bactéria geralmente só causa gripe leve e problemas gastrointestinais na gestante. No entanto, a transmissão da infecção para o bebê é muito mais perigosa.

8. Álcool

Os especialistas geralmente desaconselham beber vinho, cerveja, alcopops ou mesmo schnapps. Para proteger o feto. A natureza já fez boas provisões para isso. Para muitas mulheres, o cheiro e o sabor dos alimentos fermentados ou queimados as deixam doentes.

Você também pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *